Buscar

Maca Peruana, em quais situações devemos usá-la?

Maca peruana

Maca é o nome comum para o Lepidium meyenii, uma planta da família dos brócolis. “Raiz de maca” refere-se à raiz da planta, que se assemelha a um nabo e foi historicamente cultivada no Peru, e a exportação dessa planta é de importância pra economia do pais. O uso de raiz de maca está crescendo em popularidade, já que alguns de seus benefícios incluem ajudar a melhorar a função sexual e a fertilidade, alguns poucos trabalhos mostram ajudar na hiperglicemia e na diminuição da pressão arterial, e também reduzindo fogachos e melhorando quadros de depressão.

A maca tem sido tradicionalmente usada como afrodisíaco, em ambos os sexos. Sabe-se que os homens que suplementam a maca experimentam um aumento na produção de espermatozoides, o que pode, então, aumentar a chance de fertilidade. Trabalhos em ratos mostrou que o uso da maca pode reverter a diminuição da espermatogênese.[restrict]

Conhecida como o “ginseng peruano”, a Maca é uma raiz originária da região dos Andes, onde é conhecida e venerada há séculos por suas propriedades nutricionais e terapêuticas. É da família das crucíferas, que inclui o repolho, brócolis, couve-flor, entre outras.

A maca peruana é um adaptógeno, que são plantas que melhoram a saúde adrenal e a nossa capacidade de adaptação a situações extremas.

Além de rica em fitonutrientes, ácidos graxos e aminoácidos, o que mais chama a atenção de pesquisadores e interessados em nutrição e saúde são seus poderes adaptogênicos. Esta classe de substâncias proporciona ao corpo maior capacidade de lidar com estresse.

Este poder adaptogênico foi reconhecido pelos indígenas que perceberam sua extraordinária capacidade de crescer e prosperar em situações desafiadoras de elevadas altitudes, enfrentando escassez de oxigênio e grande variação de temperatura. Perceberam que a consumindo, eles também ganhavam mais capacidade de se adaptarem a essas condições.

A maca também parece ser um poderoso supressor da hipertrofia da próstata, com potência semelhante à da finasterida, uma droga sintética para o tratamento de próstatas aumentadas. Pesquisas preliminares também sugerem que a maca pode proteger o cérebro de agressões, melhorar a saúde dos ossos e até melhorar a capacidade cognitiva em pessoas saudáveis. Porém, mais estudos precisam ser feitos sobre esses e outros benefícios dessa planta.

Como a maioria das pesquisas sobre a maca vem do Peru, a pesquisa replicada de outras regiões seria um longo caminho para confirmar os efeitos da maca, sem que tenha o viés da pesquisa.

A maca não tem um gosto agradável, e além do pó pra ser adicionado em sucos/shakes/smoothies, tem em farmácia magistral encapsulada e até em forma de tintura (extrato hidroalcoolico).

Estudos em animais utilizam doses de maça peruana pó de 1.000-2.200 mg / kg de peso corporal (Ou seja, ao redor de 7g para uma pessoa de 70 Kg.

Nutricional, a raiz da maca (não o extrato seco padronizado) contém:

0.4% de teor de água, a menos que seja desidratado de outra forma

10,2-16% de proteína em peso, com um pequeno teor de sarcosina (0,70mg / 100g)

59% de carboidratos

2,2% de lípidos (dos quais 40,1% são saturados e 52,7% insaturados)

8,5% de fibras

Os minerais são cálcio (150mg / 100g), cobre (5,9mg / 100g), zinco (3,8mg / 100g) e potássio (2050mg / 100g) e o teor total de cinzas é de 4,6% Vitaminas como Vitamina C (8mg / 100g), Riboflavina (650mcg / 100g) e Tiamina (280mcg / 100g)

Compostos fenólicos (em torno de 5,5-7,6mg / g, conteúdo pobre)

53 Óleos Essenciais (aromas)

O alcalóide conhecido como macaridina é dito ser o principal bioativo, bem como algum conteúdo de glucosinolato.

Outros componentes também podem desempenhar um papel importante como os esteróis (campesterol, estigmasterol e beta-sitosterol), bem como os ácidos poliinsaturados e suas amidas, chamados “macaenes” e “macamides”, bem como os glucosinolatos aromáticos. Embora o mecanismo exato de como a raiz de maca funciona ainda não seja completamente esclarecido, a maca aparentemente afeta o hipotálamo e a glândula pituitária. E, claro, o hipotálamo e a glândula pituitária afetam a produção dos hormônios adrenais, hormônios tireoidianos, assim como hormônios secretados pelos ovários e testículos.

Quando a maca deve ser usada? Será que ela pode ser usada por pacientes com alterações na tireoide? Ela tem mesmo poder Afrodísiaco?

Essas dúvidas, vocês nos enviaram e vamos responder agora:

Maca e tireóide:

É possível que a administração de raiz de maca peruana possa afetar a saúde da tireóide e talvez até mesmo ajudar a aumentar a produção do hormônio da tireoide em algumas pessoas com condições de hipotireoidismo clássico ou subclinico.

No entanto, a maca não parece afetar diretamente a glândula tireóide e, portanto, se alguém com hipertireoidismo ou doença de Graves tomar maca, isso não deve aumentar a produção de hormônio tireoidiano. Mas já vi na prática isso acontecer com algumas pessoas que tem hipertireoidismo e pioraram com o uso da maca peruana.

A maca tem uma quantidade muito pequena de iodo e, portanto, aqueles que estão tentando evitar completamente o iodo DEVEM evitar a maca.

Até 2g de maca peruana ao dia não parece causas problemas na maioria das pessoas com doenças autoimunes da tireóide, como a doença de Graves e a tireoidite de Hashimoto. Mas é claro que todo mundo é diferente, e se você tomar maca e sentir que está piorando sua condição, obviamente eu aconselho que você pare de tomá-la. Lembre-se que a maca contém iodo de forma bem biodisponível, ok? Só pra se ter uma idéia: 1 colher de chá da raiz da maca contém 17% da recomendação diária de iodo.

E portanto, deve ser levada em consideração na hora da prescrição e de uso por pacientes com:

  1. Doenças autoimuines da tireoide

  2. Sensibilidade ao iodo

  3. Nódulos na tireóide

Muitas pessoas com hipotireoidismo e doenças autoimunes da tireóide têm problemas com as glândulas supra-renais e hormônios sexuais (ou seja, estrogênio, progesterona, testosterona). E como a maca afeta o hipotálamo e a glândula pituitária (que não tem ação apenas na tireóide, mas também secreta hormônios como FSH, LH e ACTH), a maca também pode afetar potencialmente a produção desses hormônios.

Quanto à dosagem da maca nesses casos, isso varia de pessoa para pessoa. A maioria dos estudos utilizou de 2 a 10 gramas por dia de maca. Na prescrição, sempre indico começar com uma dosagem menor mesmo.

Papel afrodisíaco da maca

Um estudo que investigou se havia uma correlação entre hormônios e afrodisíaco não conseguiu encontrar qualquer relação e não conseguiu encontrar nenhum pico de hormônios na população do estudo, apesar de terem relatado maior líbido. Este estudo sugeriu que os mecanismos de Maca na libido não são mediados por hormônios.

Em homens com disfunção erétil leve, a maca (2400mg) e placebo resultaram em melhorias significativas nos escores do IIEF-5 (escala de classificação para disfunção erétil), mas o grau de aumento observado com Maca foi significativamente melhor do que o observado com placebo. Um ensaio clínico foi conduzido usando raiz de maca onde pacientes ambulatoriais deprimidos (17 mulheres e 3 homens) foram recrutados durante um período de 10 meses e que preencheram as condições para disfunção sexual induzida por antidepressivos. Passaram a usar 1,5g ou 3g de Maca diariamente durante 12 semanas. Após esse período do estudo, houve melhora significativa em ambos os grupos da dosagem, com mais eficácia ocorrendo em doses elevadas de maca.

Memória e cognição:

Trabalhos em ratos normais mostraram leve melhora da cognição, mas ainda se espera mais estudos. A maca parece ser um bom agente neuroprotetor, mas ainda não se sabe o porquê.

Performance aeróbia:

Evidencias atuais não mostram nada de especial com o uso da maca na performance aeróbia (ainda).

Maca e hormônios sexuais:

Trabalho que usou1,5g e 3g de maca por 12 semanas falharam em aumentar os níveis de testosterona circulante em homens saudáveis. Essas mesmas doses foram usadas em um estudo de 12 semanas de outros autores, e também em homens, e foi observado um aumento na libido (conforme avaliado por auto relato) que atingiu 24,4%, 40% e 42,2% dos indivíduos em Maca em 4, 8 e 12 semanas (respectivamente), enquanto o placebo não teve aumento nas semanas 8 e 12. Esse aumento na libido foi independente do testoterona, que não diferiu entre os grupos. Não há efeitos androgênicos ou aumento da testosterona em mulheres na pós-menopausa que ingeriram 3,5g de maca diariamente por 6 semanas. A maca não parece ter interações androgênicas significativas além da testosterona (e nem em estrogênio) circulante, uma vez que este estudo não observou quaisquer interações dos componentes da maca com o receptor androgênico.

Segurança do uso: não há muitos dados sobre segurança com o uso da maca peruana, mas sugere-se respeitar prescrição do médico e nutricionista. Não há dados de segurança em usar em gestantes e mulheres amamentando.

Não suplemente nenhuma raiz adaptógena como a maca sem antes passar em consulta com um nutricionista especializado e realizar todos os exames que precisam ser feitos para o acompanhamento.

Não brinque com sua saúde e coma algo saudável por mim!

Referências bibliográficas:

  1. Mehta K, et al. Comparison of glucosamine sulfate and a polyherbal supplement for the relief of osteoarthritis of the knee: a randomized controlled trial {ISRCTN25438351}. BMC Complement Altern Med. (2007)

  2. Gonzales GF. Ethnobiology and Ethnopharmacology of Lepidium meyenii (Maca), a Plant from the Peruvian Highlands. Evid Based Complement Alternat Med. (2012)

  3. Maca: From traditional food crop to energy and libido stimulant.

  4. Valentová K, Ulrichová J. Smallanthus sonchifolius and Lepidium meyenii – prospective Andean crops for the prevention of chronic diseases. Biomed Pap Med Fac Univ Palacky Olomouc Czech Repub. (2003)

  5. ) Physiological studies and determination of chromosome number in Maca, Lepidium meyenii (Brassicaceae).

  6. Gonzales GF, et al. Effect of Lepidium meyenii (Maca) on spermatogenesis in male rats acutely exposed to high altitude (4340 m). J Endocrinol. (2004)

  7. Ranilla LG, et al. Phenolic compounds, antioxidant activity and in vitro inhibitory potential against key enzymes relevant for hyperglycemia and hypertension of commonly used medicinal plants, herbs and spices in Latin America. Bioresour Technol. (2010)

  8. Tellez MR, et al. Composition of the essential oil of Lepidium meyenii (Walp). Phytochemistry. (2002)

  9. Effect of three different cultivars of Lepidium meyenii (Maca) on learning and depression in ovariectomized mice.

  10. Glucosinolate content and myrosinase activity evolution in three maca (Lepidium meyenii Walp.) ecotypes during preharvest, harvest and postharvest drying.

  11. Gonzales C, et al. Effect of short-term and long-term treatments with three ecotypes of Lepidium meyenii (MACA) on spermatogenesis in rats. J Ethnopharmacol. (2006)

  12. Gonzales GF, et al. Red maca (Lepidium meyenii) reduced prostate size in rats. Reprod Biol Endocrinol. (2005)

  13. Muhammad I, et al. Constituents of Lepidium meyenii ‘maca’. Phytochemistry. (2002)

  14. Zheng BL, et al. Effect of a lipidic extract from lepidium meyenii on sexual behavior in mice and rats. Urology. (2000)

  15. Zhao J, et al. New alkamides from maca (Lepidium meyenii). J Agric Food Chem. (2005)

  16. McCollom MM, et al. Analysis of macamides in samples of Maca (Lepidium meyenii) by HPLC-UV-MS/MS. Phytochem Anal. (2005)

  17. Cui B, et al. Imidazole alkaloids from Lepidium meyenii. J Nat Prod. (2003)

  18. Clément C, et al. Influence of colour type and previous cultivation on secondary metabolites in hypocotyls and leaves of maca (Lepidium meyenii Walpers). J Sci Food Agric. (2010)

  19. Gonzales GF, et al. Effect of two different extracts of red maca in male rats with testosterone-induced prostatic hyperplasia. Asian J Androl. (2007)

  20. Gonzales GF, Gonzales-Castañeda C. The Methyltetrahydro-{beta}-Carbolines in Maca (Lepidium meyenii). Evid Based Complement Alternat Med. (2009)

  21. Piacente S, et al. Investigation of the tuber constituents of maca (Lepidium meyenii Walp.). J Agric Food Chem. (2002)

  22. Ratnayake WS1, Jackson DS. Starch gelatinization. Adv Food Nutr Res. (2009)

  23. Gonzales GF, et al. Effect of Lepidium meyenii (MACA) on sexual desire and its absent relationship with serum testosterone levels in adult healthy men. Andrologia. (2002)

  24. Cicero AF, Bandieri E, Arletti R. Lepidium meyenii Walp. improves sexual behaviour in male rats independently from its action on spontaneous locomotor activity. J Ethnopharmacol. (2001)

  25. Lentz A, et al. Acute and chronic dosing of Lepidium meyenii (Maca) on male rat sexual behavior. J Sex Med. (2007)

  26. Spector IP, Carey MP, Steinberg L. The sexual desire inventory: development, factor structure, and evidence of reliability. J Sex Marital Ther. (1996)

  27. Stone M, et al. A pilot investigation into the effect of maca supplementation on physical activity and sexual desire in sportsmen. J Ethnopharmacol. (2009)

  28. Zenico T, et al. Subjective effects of Lepidium meyenii (Maca) extract on well-being and sexual performances in patients with mild erectile dysfunction: a randomised, double-blind clinical trial. Andrologia. (2009)

  29. Labbate LA, Lare SB. Sexual dysfunction in male psychiatric outpatients: validity of the Massachusetts General Hospital Sexual Functioning Questionnaire. Psychother Psychosom. (2001)

  30. McGahuey CA, et al. The Arizona Sexual Experience Scale (ASEX): reliability and validity. J Sex Marital Ther. (2000)

  31. Dording CM, et al. A double-blind, randomized, pilot dose-finding study of maca root (L. meyenii) for the management of SSRI-induced sexual dysfunction. CNS Neurosci Ther. (2008)

  32. Brooks NA, et al. Beneficial effects of Lepidium meyenii (Maca) on psychological symptoms and measures of sexual dysfunction in postmenopausal women are not related to estrogen or androgen content. Menopause. (2008)

  33. Rubio J, et al. Aqueous and hydroalcoholic extracts of Black Maca (Lepidium meyenii) improve scopolamine-induced memory impairment in mice. Food Chem Toxicol. (2007)

  34. Rubio J, et al. Aqueous Extract of Black Maca (Lepidium meyenii) on Memory Impairment Induced by Ovariectomy in Mice. Evid Based Complement Alternat Med. (2011)

  35. Herraiz T, Chaparro C. Analysis of monoamine oxidase enzymatic activity by reversed-phase high performance liquid chromatography and inhibition by beta-carboline alkaloids occurring in foods and plants. J Chromatogr A. (2006)

  36. Pino-Figueroa A, Nguyen D, Maher TJ. Neuroprotective effects of Lepidium meyenii (Maca). Ann N Y Acad Sci. (2010)

  37. Rubio J, et al. Dose-response effect of black maca (Lepidium meyenii) in mice with memory impairment induced by ethanol. Toxicol Mech Methods. (2011)

  38. Valentová K, et al. Maca (Lepidium meyenii) and yacon (Smallanthus sonchifolius) in combination with silymarin as food supplements: in vivo safety assessment. Food Chem Toxicol. (2008)

  39. Vecera R, et al. The influence of maca (Lepidium meyenii) on antioxidant status, lipid and glucose metabolism in rat. Plant Foods Hum Nutr. (2007)

  40. Gonzales GF, et al. Effect of Lepidium meyenii (Maca), a root with aphrodisiac and fertility-enhancing properties, on serum reproductive hormone levels in adult healthy men. J Endocrinol. (2003)

  41. Bogani P, et al. Lepidium meyenii (Maca) does not exert direct androgenic activities. J Ethnopharmacol. (2006)

  42. Rubio J, et al. Lepidium meyenii (Maca) reversed the lead acetate induced — damage on reproductive function in male rats. Food Chem Toxicol. (2006)

  43. Gonzales GF, et al. Effect of Black maca (Lepidium meyenii) on one spermatogenic cycle in rats. Andrologia. (2006)

  44. Srikugan L, Sankaralingam A, McGowan B. First case report of testosterone assay-interference in a female taking maca (Lepidium meyenii). BMJ Case Rep. (2011)

  45. Valentová K, et al. The in vitro biological activity of Lepidium meyenii extracts. Cell Biol Toxicol. (2006)

  46. Zhang Y, et al. Effect of ethanol extract of Lepidium meyenii Walp. on osteoporosis in ovariectomized rat. J Ethnopharmacol. (2006)

  47. Gonzales C, et al. Effects of different varieties of Maca (Lepidium meyenii) on bone structure in ovariectomized rats. Forsch Komplementmed. (2010)

  48. Gasco M, et al. Dose-response effect of Red Maca (Lepidium meyenii) on benign prostatic hyperplasia induced by testosterone enanthate. Phytomedicine. (2007)

  49. Roehrborn CG, et al. Effects of finasteride on serum testosterone and body mass index in men with benign prostatic hyperplasia. Urology. (2003)

  50. Cárdenas-Valencia I, et al. Tropaeolum tuberosum (Mashua) reduces testicular function: effect of different treatment times. Andrologia. (2008)

  51. Gonzales GF, et al. Antagonistic effect of Lepidium meyenii (red maca) on prostatic hyperplasia in adult mice. Andrologia. (2008)

  52. Gonzales C, et al. Effect of red maca (Lepidium meyenii) on prostate zinc levels in rats with testosterone-induced prostatic hyperplasia. Andrologia. (2012)

  53. Yucra S, et al. Effect of different fractions from hydroalcoholic extract of Black Maca (Lepidium meyenii) on testicular function in adult male rats. Fertil Steril. (2008)

  54. Gasco M, Aguilar J, Gonzales GF. Effect of chronic treatment with three varieties of Lepidium meyenii (Maca) on reproductive parameters and DNA quantification in adult male rats. Andrologia. (2007)

  55. Gonzales GF, et al. Effect of alcoholic extract of Lepidium meyenii (Maca) on testicular function in male rats. Asian J Androl. (2003)

  56. Bustos-Obregon E, Yucra S, Gonzales GF. Lepidium meyenii (Maca) reduces spermatogenic damage induced by a single dose of malathion in mice. Asian J Androl. (2005)

  57. Gonzales GF, et al. Effect of Lepidium meyenii (maca) roots on spermatogenesis of male rats. Asian J Androl. (2001)

  58. Chung F, et al. Dose-response effects of Lepidium meyenii (Maca) aqueous extract on testicular function and weight of different organs in adult rats. J Ethnopharmacol. (2005)

  59. Shin BC, et al. Maca (L. meyenii) for improving sexual function: a systematic review. BMC Complement Altern Med. (2010)

  60. Ruiz-Luna AC, et al. Lepidium meyenii (Maca) increases litter size in normal adult female mice. Reprod Biol Endocrinol. (2005)

#macaperuana

339 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo