Buscar
  • Ana Paula Martins

Vitamina D e Emagrecimento

Atualizado: Abr 27

Vcs sabiam que cuidar do intestino pode ajudar em todos os processos de emagrecimento?

Não muito tempo atrás passamos a enxergar o intestino como um mundo á parte dentro de nosso próprio corpo, pois o intestino adulto abriga até 100 trilhões de bactérias residentes chamados de microbiota intestinal E hj todo mundo sabe que a saúde de seu intestino tem total ligação com seu metabolismo, seus sistema nervoso, tireoide, pele, sistema reprodutivo e tudo mais que vcs podem imaginar – inclusive quando o assunto é emagrecimento.

O microbioma intestinal – todas as bactérias com seus DNAs vivendo no intestino e interagindo com o nosso organismo – produz vitaminas, blocos para construção de proteínas, extraindo energia dos alimentos ingeridos e conferindo resistência às doenças. Já foi postado que pessoas magras e obesas apresentavam diferenças em seus microbiomas intestinais, e que isso garantiria maior absorção das calorias oriundas dos alimentos em obesos, comparado com os magros. E já foi postado tb que obesos tem menor diversidade bacteriana no intestino, e isso impacta tb a saúde.

TANTO QUE os artigos já encontraram que o transplante da microbiota fecal (também denominado bacterioterapia fecal) do indivíduo magro para o indivíduo obeso pode ser usado no tratamento de várias doenças tais como infecções intestinais ou em Diabetes Mellitus. No Brasil ainda não é feito, mas nos EUA e ema alguns países da Europa sim. Evidências atuais em humanos corroboram com estudos em modelos animais para o tratamento da obesidade através desta técnica. Porém, os estudos ainda são escassos, dificultando a formulação de recomendações para a prática profissional

Então, o ICM em si pode impactar na saúde intestinal e levar a maior ganho de gordura.

E tb já sabemos que as bactérias tb afetam nosso apetite. Uma das bactérias chave é o H. PILORY, que tb está envolvida no aparecimento de úlceras e câncer de estomago. Isso pq ele impacta a liberação da GRELINA, o hormônio da fome. Qdo vc acorda com fome, por exemplo, é a GRELINA que pede pra vc comer. E qdo vc come, os níveis de grelina caem. Mas se vc tem o H. pilory, isso não acontece, ou seja, vc continua com fome e acaba comendo mais.

E claro, o uso de medicações como antiobioticos e antiinflamatorios podem levar à disbiose, levando ao aparecimento de bactérias oportunistas, matando as bactérias boas do intestino e destruindo aos poucos a nossa barreira protetora intestinal. Não estamos dizendo aqui que esses medicamentos nunca devem ser usados, mas o problema está nessa massificação da prescrição e a falta da prevenção.

Enquanto algumas bactérias são determinadas pela genética (como se vc foi parido em parto normal X cesariana, se foi amamentado exclusivamente ao peito até os 6 meses de vida, etc), DIETA e ESTILO de vida tem impacto DRAMÁTICO na nossa microflora. Um estudo publicado na revista Nature encontro que quando as pessoas mudam a dieta pra uma que consistia principalmente de queijo e carne, teve um aumento quase que de imediato numa bactéria chamada BILOPHILA, que tem associação com colite (e uma dieta plant based ajuda a diminui-la.

Nesse podcast a Pri, fala um pouco mais sobre esse assunto.https://comaalgosaudavelpormim.com.br/wp-content/uploads/2018/08/vitaminaDeemagrecimento-1.m4a

#emagrecimento #vitaminaD

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo